Destaque da Semana

sexta-feira, 8 de junho de 2012

CSS Hunley

CSS HL Hunley

O submarino (CSS) Hunley foi o primeiro submarino conhecido a conseguir afundar com sucesso um navio de guerra inimigo, sendo considerado, por este feito, o pai de todos os submarinos modernos.

O submarino Hunley, batizado com o nome do seu inventor, Horace Lawson Hunley (imagem ao lado), foi desenvolvido no auge da Guerra Civil Americana (1861-1865), pelos Confederados, na cidade de Mobile, no estado do Alabama, sendo transportado por via férrea para a cidade de Charleston.

Quando da sua chegada a Charleston, o porto da cidade encontrava-se bloqueado por dois navios de guerra da União, o USS Housatonic e o USS Canandaigua, que se encontravam posicionados ao largo das ilhas Sullivan  e Morris, para impedir que navios mercantes abastecessem a cidade.

USS Housatonic

Foi neste contexto que o submarino Hunley foi construído, para destruir um destes navios da União, pondo um fim ao exaustivo bloqueio naval.

Enquanto isso à bordo dos dois navios da União, já corriam rumores sobre uma "máquina infernal", que tinha sido desenvolvida pelos Confederados, mas não se sabia ao certo que máquina era essa, pelo qua sabiam apenas que podia deslizar silenciosamente pela agua e aproximar-se de um navio sem ser notado, e afunda-lo.

USS Canandaigua

E era exatamente isso que os Confederados tinham em mente, mas antes, o Hunley foi submetido a rigorosos testes.


O Hunley possui 12 metros de comprimento, um peso avaliado em 7,5 toneladas, movido à força de braços, por meio de manivelas (manipuladas por 7 homens) ligada a uma engrenagem dupla, que por sua vez era ligada a uma hélice de ferro forjado.


Esquema gráfico do CSS Hunley

Proporcionava  uma velocidade à superfície na ordem dos 13 nós, e submerso de cerca de 4 nós. O Hunley mostrou ser um submarino muito capaz, mas ao mesmo tempo muito perigoso também.

Corte mostrando o interior do Hunley

Antes do ataque ao USS Housatonic, o submarino afundou por 2 vezes, afogando o seu próprio inventor e mais 12 vitimas.


Com isto, os Confederados perderam parte do interesse no Hunley. Um oficial chegou à declarar que "Ele é mais perigoso para nós que para eles".

Foi então que se deu uma reviravolta.


Um tenente confederado, chamado George L. Dixon, e outros 7 marinheiros, demonstraram interesse em usar o Hunley, mesmo sabendo a sua má fama.

O tenente Dixon fez inspeções no Hunley, nas quais identificou o que presumivelmente falhou por ocasião dos dois afundamentos anteriores, e ordenou uma série de pequenas reparações, com foco no sistema dos lemes de profundidade, mandou instalar uma hélice mais resistente e que movimentasse mais agua, e também melhorias nos tanques de lastro.

Os rostos dos tripulantes do Hunley, conforme trabalho de restauração nas próprias ossadas encontradas no interior do submarino

Após todas as melhorias, Dixon começa as negociações com o Almirantado Confederado, para receber a permissão para atacar um dos navios do bloqueio, o USS Housatonic, que ocupava uma boa posição para atacar, e caso fosse afundado, daria tempo para que alguns navios de mercadorias passassem pela "entrada desprotegida" providenciada pelo Hunley. Em pouco tempo, Dixon recebe a autorização para atacar.

Noite de dia 17 de Fevereiro de 1864, às 20:45hs, Dixon e a sua tripulação entram a bordo do pequeno submarino Hunley, e começam a sua jornada, a caminho da posição ocupada pelo USS Housatonic.


Segundo um tripulante, que sobreviveu ao afundamento do Housatonic, nuvens escuras ocultavam as estrelas e o céu. Eram 21:50, e a tripulação do navio cantava em conjunto o Hino Americano, quando ouviu-se o apito do vigia, onde todos pararam de cantar e encaminharam-se para bombordo. Segundo um relatório dos arquivos navais Americanos, aqui fica a descrição ofical dada pelo referido tripulante:

"Cantávamos o hino Americano, quando de súbito, sem que nada o previsse, ouviu-se o apito do vigia, parámos de cantar e fomos para o lado bombordo do convés. O que eu e os meus amigos marinheiros vimos, deixou-nos sem pinga de sangue. Acabara de aparecer à superfície um objecto cilindico, e que se encaminhava na nossa direcção, não dava para perceber o que era, a luz fraca dos holofotes não permitia que se visse bem, mas então, 2 tubos ergueram-se desse objecto, e percebemos que o que quer que fosse, fora construído pelo homem, e que as intenções com que se encaminhavam para nós, não eram as melhores. O capitão Pickering de imediato ordenou que se abrisse fogo sobre esse objecto, que, a cerca de 30 metros de nós, se começava a notar fracos clarões de luz vindos do seu interior". Dada a proximidade a que se encontrava aquele objecto, não nos foi possível abrir fogo com as peças principais, sendo nós obrigados a abrir fogo com os mosquetes e revolveres. Do meio da confusão, dos disparos, o capitão Pickering ordenou que os motores fossem de imediato postos em marcha à ré. Eu estava na amurada, a disparar o meu mosquete naquele objecto, ele encontrava-se a 2 metros do nosso casco quando de súbito parou. Ouviram-se gritos no interior da máquina atacante, e vi que tinha por cima pequenas vigias, e foi para lá que tentei apontar, na esperança de atingir algum dos homens no seu interior. Então 2 tripulantes, cujo nome eu desconhecia, gritaram, apontando para baixo, e vimos uma barra de ferro, que ia da maquina atacante até ao nosso casco. Enquanto continuava-mos a abrir fogo, a maquina atacante começou a recuar lentamente. Não me parecia que as balas de mosquete estivessem a ter qualquer efeito naquela maquina, mas não havia mais nada que pudéssemos fazer.


Então, quando a maquina atacante recuou a cerca de 40 metros de nós, ouviu-se uma explosão debaixo de água, todo o Housatonic tremeu debaixo dos nossos pés, águia lançada ao ar caiu sobre o convés, e nem 1 minuto após a explosão sentimos o convés a inclinar-se sob os nossos pés, percebemos de imediato que nos estava-mos a afundar. O capitão Pickering deu ordem de abandonar navio, e de imediato os botes foram lançados para dentro de água, e muitos lançaram-se ao mar. Eu fui um dos muitos que se lançou à agua, na tentativa de escapar. A agua estava gelada, e fui resgatado para dentro de um bote. Nunca mais vi essa maquina que nos atacou. O Housatonic inclinou-se para trás, a proa surgiu nas aguas, e nem 4 minutos após a explosão, todo o magnifico navio desapareceu nas aguas"

Pouco se sabe em relação ao que aconteceu a bordo do Hunley após a explosão do Housatonic. Sabe-se que o submarino fez o sinal combinado, com uma lanterna de magnésio, confirmando o afundamento do navio da União, e que os navios de abastecimento podiam encaminhar-se depressa para o porto de Charleston. 

Em terra, esperou-se pacientemente o regresso do triunfante submarino, coisa que nunca aconteceu.

O Hunley desapareceu para só ser encontrado 136 anos depois, no dia 8 de Agosto de 2000, enterrado sob 2 metros e meio de areia e lodo, que o conservou para a posteridade, juntamente com as ossadas do tenente Dixon e os seus 7 tripulantes.

Representação gráfica de como o Huley foi encontrado

Muita especulação há em torno do que sucedeu para o submarino não ter regressado da sua missão. As teorias aceites são:

* A força da explosão da bomba, cravada no casco do Housatonic, pode ter danificado os componentes do submarino, a ponto de ficar parcialmente inoperacional.

*Com o esforço realizado pela tripulação do Hunley, o dióxido de carbono podem ter aumentado a níveis que fizesse os tripulantes desmaiarem, fato muito provável ter acontecido, pois, quando do resgate do Hunley, a posição das ossadas dos tripulantes encontravam-se tombados sobre as manivelas, o que é consistente com a teoria de terem desmaiado, e com isso, o submarino não mais teria modos de locomover-se, mesmo que dois ou mesmo três tripulantes conseguissem resistir ao desmaio, não teriam força para tirar os seus companheiros de cima das manivelas, quanto mais para fazer girar tais manivelas.

Resgate do CSS Hunley

*Outra hipótese é a de que, na explosão, o casco tenha ficado danificado, a ponto de permitir a entrada de água no casco, mas que ainda houve tempo para a valente tripulação fazer o sinal de confirmação com a lâmpada de magnésio.


* Uma inundação repentina, pela falha dos tanques de lastro fez com que o Hunley mergulhasse a pique,  afogando todos os seus tripulantes.


O resgate do submarino se deu no ano 2000, e em 2005 técnicos e cientistas da cidade de Charleston começaram uma minuciosa restauração, bem como a reprodução dos rostos dos tripulantes através da técnica de enxerto e programação gráfica utilizando-se das próprias ossadas.
Objetos resgatados no Hunley. Acima, relógio resgatado de propriedade do tenente Dixon

Hoje, o submarino está restaurado e juntamente com objetos, e o trabalho de restauração de face dos tripulantes, está em exposição em um Museu na cidade de Charleston/USA.

OBRIGADO!!!
O C&M agradece seu carinho e sua visita!!!

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...